Registo de algumas análises, farpas e aforismos no Facebook de José Adelino Maltez

20
Dez 11

Aqui acaba toda a terra antiga,/começa aqui a tentação do mar./ Europa - ainda era rapariga -,/ Sentou-se aqui um dia a descansar./ Vinha de longe, andando com fadiga,/ vinha de longe, andando sem parar.../ Em frente ao mar, que o rosto lhe fustiga,/ logo pensou Europa em se casar./ / Pediu-a p'ra mulher o Padre-Oceano./ Entre sereias, conchas e golfinhos,/ as ondas lhe bordaram o enxoval.// E quando o noivo a recebeu, ufano,/ nestes penhascos rústicos, sòzinhos,/ deram os dois o ser a Portugal

 

Cavaco Silva repete as teses de Strauss-Kahn, tal como as de Kohl, Schmidt, quanto à Europa, bem como na necessidade de diálogo do PS e do PSD e na procura da coesão social. As ideias são nacionalmente consensuais e, da parte da opinião pública, apenas temos que dar mais uns empurrões.

 

Aqui, os submarinos acedem mais rapidamente às profundezas oceânicas, mesmo que desenrolem o periscópio.

 

“Sozinha, nos penhascos do Ocidente,
ouvindo ao mar o ímpeto brutal,
pariste longa e dolorosamente
um moço a quem chamaste Portugal!"

 

A coerência do PCP na solidariedade do internacionalismo estalinista não é um defeito, é uma virtude, a da continuidade, com pouca evolução.

 

Como dizia Raymond Aron, o principal problema da democracia é que praticamente todos os regimes do mundo se dizem hoje democráticos.

 

Ai do nosso tempo, se tivesse de acabar com todos os mistérios! Não existe apenas aquilo que se explica.

publicado por José Adelino Maltez às 20:30

Dezembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18



Biografia
Bem mais de meio século de vida; quarenta e dois anos de universidade pública portuguesa; outros tantos de escrita pública no combate de ideias; professor há mais de trinta e cinco e tal; expulso da universidade como estudante; processado como catedrático pelo exercício da palavra em jornais e blogues. Ainda espera que neste reino por cumprir se restaure a república
Invocação
Como dizia mestre Herculano, ao definir o essencial de um liberal: "Há uma cousa em que supponho que ate os meus mais entranhaveis inimigos me fazem justiça; e é que não costumo calar nem attenuar as proprias opiniões onde e quando, por dever moral ou juridico, tenho de manifestá-las"......
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO