Registo de algumas análises, farpas e aforismos no Facebook de José Adelino Maltez

24
Jun 11

24 de Junho de 2011

Para registo, de uma análise em noite de Verão e em pleno passismo.

Graça Franco e José Adelino Maltez analisam cimeir - SIC Notícias - SAPO Vídeos

videos.sapo.pt

O futuro de Portugal no quadro económico europeu no centro dos comentários

3121Gosto ·  · Partilhar

 

José Adelino Maltez partilhou uma ligação.

24 de Junho de 2011

Sou suspeito, até pelo curriculum de professor que nasceu numa, cresceu noutra e chegou a acumular por amor e a ser maltratado por isso. Mas há problemas culturais que implicam a eliminação de algumas megalomanias de escolas de regime, marcadas pelo oportunismo e que impedem a superior leitura da eterna ideia de universidade, em tempos de primado da subsidiocracia e de cobarde carreirismo

Universidades Clássica e Técnica de Lisboa à beira da fusão - Sociedade - Sol

sol.sapo.pt

As Universidades Técnica e Clássica de Lisboa deverão transformar-se numa só instituição, com um quadro de pessoal único e serviços administrativos e de acção social comuns.

2519Gosto ·  · Partilhar

 

José Adelino Maltez

24 de Junho de 2011

Hoje é dia de São João. O de tempos imemoriais, conforme foi recordado neste dia do ano de 1717 em "Goose and Gridiron Ale House", St Paul’s Churchyard. Daí a bela confusão de solstício. Como no dia de Natal.

 

2025Gosto ·  · Partilhar

 

José Adelino Maltez

24 de Junho de 2011

Quatro anos depois de Garrett, em 22 de Abril de 1834, o mais importante tratado da liberdade nacional portuguesa, o de Paris. Isto é, França e Grã-Bretanha coordenam conjuntamente Portugal e a Espanha. Península Ibérica passa a ser controlada por esta dupla do directório europeu e da hierarquia das potências, isto é, Lisboa deixa de depender directamente de Madrid.

67Gosto ·  · Partilhar

 

José Adelino Maltez

24 de Junho de 2011

Um livrinho para fim de semana de futuro secretário de estado, Almeida Garrett, "Portugal na Balança da Europa. Do que tem sido e do que ora lhe convém ser na ordem nova de coisas do mundo civilizado", Londres, S. W. Sustenance, 1830. Sobretudo o "de que ora lhe convém ser"...

28Gosto ·  · Partilhar

 

José Adelino Maltez

24 de Junho de 2011

Belos tempos de funcionário público. O meu colega de gabinete era o José Manel Silva Rodrigues e na direcção-geral congénere trabalhava na mesma função o Guilherme d' Oliveira Martins, todos ministerializados pelo tal de António Barreto. Que não nos topava muito bem, porque eu e o Guilherme tínhamos sido adjuntos do antecessor, o Magalhães Mota.

26Gosto ·  · Partilhar

 

José Adelino Maltez

24 de Junho de 2011

A comissão de trabalhadores em causa foi das primeiras não-PCP nem sequer de esquerda. Andávamos nos tempos áureos da central UGT e até participámos nas sementes do Sindicato dos Quadros Técnicos do Estado, depois de perdermos as eleições para o PCP no primeiro sindicato da função pública. E no meu caso, bem desencávamos no ministro António Barreto...

14Gosto ·  · Partilhar

 

José Adelino Maltez

24 de Junho de 2011

Quando eu era puto e funcionário do Ministério do Comércio, antes dos trinta anos, tive um ministro socialista que manteve o director-geral que tinha herdado. Só ficou irritado com a comissão de trabalhadores e emitiu um despacho proibindo que os seus funcionários emitissem declarações públicas sobre questões internas. O ministro era António Barreto, um dos sindicalistas era eu.

34Gosto ·  · Partilhar

 

José Adelino Maltez

24 de Junho de 2011

O novo ministro da Administração Interna diz que em plena época de incêndios não é oportuno avançar com mudanças. Aliás, nem Salazar, a partir de 1928, tocou no Alberto Xavier, o democrático super-burocrata do Ministério das Finanças, tal como Manuel Rodrigues manteve o secretário-geral do Ministério da Justiça, antigo ministro afonsista. A moda destruidora é bem mais recente.

42Gosto ·  · Partilhar

 

José Adelino Maltez partilhou uma ligação.

24 de Junho de 2011

O novo zé chama-se pedro e é primo do outro zé cujo nome tem aquela coisa esquisita de terminar em ão...muito corajosos os três, muito corajosos...

http://imagens.publico.pt/imagens.aspx/345036?tp=UH&db=IMAGENS&w=350&t=1308927305%2C5

imagens.publico.pt

234Gosto ·  · Partilhar

 

José Adelino Maltez

24 de Junho de 2011

O Guerra Junqueiro até previa a hipótese de chegada de um D. Sebastião científico. Não era piada ao marxismo. Era ao habitual Professor Pardal das pastas educativas. O que costuma ser sugerido e escolhido pelos senhores primeiros ministros que ouvem o douto conselho do Professor Manitu que sempre gostou dos redactores do Grito do Povo.

23Gosto ·  · Partilhar

 

José Adelino Maltez partilhou uma ligação.

24 de Junho de 2011

Benvinda, querida Croácia! Sem ironia.

Líderes europeus aprovam adesão da Croácia à UE | Económico

economico.sapo.pt

Os líderes europeus aprovaram a conclusão das negociações conduzidas desde 2005. Adesão formal deve ocorrer em Julho de 2013. | Notícias sobre economia actualizadas ao minuto, informação de mercados, empresas e política, vídeos diários, opiniões de analistas e especialistas

3732Gosto ·  · Partilhar

 

José Adelino Maltez

24 de Junho de 2011

Os secretariáveis, depois dos nomes já lançados para a figueira, e sem que o telefone toque, nem sequer aproveitam a ponte, tostando diante das ondas. Ainda por cima, o grande chefe não vem de jacto especial... ainda aterra na Portela e na carreira do costume...

15Gosto ·  · Partilhar

 

José Adelino Maltez

24 de Junho de 2011

As agressões ideológicas do liberal mistruram "o preconceito de esquerda e o fantasma de direita". Portugal é o único país da Europa onde é pecado ser liberal (JAM, Público, hoje)

1214Gosto ·  · Partilhar

 

José Adelino Maltez

24 de Junho de 2011

"Um governo bom, de média 16...é tão bom como era o primeiro governo de Sócrates...mais importante do que o perfil dos ministros é "a capacidade de resistência que irão demonstrar" (JAM, Público, hoje)

55Gosto ·  · Partilhar

 

José Adelino Maltez

24 de Junho de 2011

Basta recordar que um dos gritos reivindicativos do 28 de Maio de 1926 foi a criação das províncias, que era então um nome equivalente ao da regionalização. Nem em ditadura o conseguiram, conforme o belo relatório dito "Reforma Administrativa" emitido, depois, pelo Ministério do Interior. Porque iriam para a desertificação as cidades de província que perdessem os serviços do governo civil...

227Gosto ·  · Partilhar

 

José Adelino Maltez

24 de Junho de 2011

Depois, Costa Cabral, com o despotismo dito democrático do controlo eleitoral, a corrupção e o centralismo, gerou o facto consumado que ainda não foi possível lancetar, gerando-se sucessivos absolutismos de facto de variados e contraditórios regimes e do equilíbrio capitaleiro de forças vivas que degeneram as democracias...

26Gosto ·  · Partilhar

 

José Adelino Maltez

24 de Junho de 2011

Quem fez os distritos não foi o Mouzinho da Silveira, mas o Rodrigo da Fonseca em pleno devorismo, quando inventou uma estrutura de compra dos opositores através da "mesa do orçamento" para que todos passassem a alegres convivas com os impostos do povo, dando satisfação à política de empregadagem do Estado Moderno...

23Gosto ·  · Partilhar

 

José Adelino Maltez

24 de Junho de 2011

Os tais distritos, formalmente provisórios desde a Constituição original de 1976, resistem e persistem por uma simples razão: os partidos que se oligarquizam eleitoralmente para as listas eleitorais, donde vem a principal matriz dos pequenos poderes domésticos e caciqueiros, bem mais importantes do que os governadores nomeados.

16Gosto ·  · Partilhar

 

José Adelino Maltez

24 de Junho de 2011

António Barreto denuncia a lei que regula a instabilidade nomeativa dos altos cargos da administração pública, sem dúvida a principal fonte de clientelismo, aguardando pela atitude do novo situacionismo, apar sabermos se o devorismo rotativista vai ou não continuar.

publicado por José Adelino Maltez às 22:22

Junho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

12
17
18

20
22

29


Biografia
Bem mais de meio século de vida; quarenta e dois anos de universidade pública portuguesa; outros tantos de escrita pública no combate de ideias; professor há mais de trinta e cinco e tal; expulso da universidade como estudante; processado como catedrático pelo exercício da palavra em jornais e blogues. Ainda espera que neste reino por cumprir se restaure a república
Invocação
Como dizia mestre Herculano, ao definir o essencial de um liberal: "Há uma cousa em que supponho que ate os meus mais entranhaveis inimigos me fazem justiça; e é que não costumo calar nem attenuar as proprias opiniões onde e quando, por dever moral ou juridico, tenho de manifestá-las"......
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO