Registo de algumas análises, farpas e aforismos no Facebook de José Adelino Maltez

05
Nov 11

Os senhores donos do poder deveriam saber contabilizar quanto custam os preconceitos e fantasmas dos erros de teoria em que nos continuam a desperdiçar. Eis alguns deles, em forma de decálogo, conforme me vêm à mente:


1. Quanto custa a estupidez de não repararem que os saberes dispersos devem ser unificados e mobilizados pela sabedoria?

‎2. Quanto custa julgarem que um velho é um inútil que tem de ser sustentado pela segurança social, enquanto vão fomentando a gerontocracia neofeudal do nacional-saudosismo?

3. Quanto custa iludirem-nos com leis gerais e abstractas da engenharia de conceitos, axiomático-dedutiva, que nos obriga à unidimensionalidade da mediacracia, sem compreenderem que só se acede ao universal pela diferença, da rebeldia, da criatividade, da imaginação e da própria ironia?

4. Quanto custa transformarem o progresso em lenga-lenga reaccionária, da da nostalgia passadista dos revolucionários frustrados, só porque julgam que atingiram o clímax quando se junta à mesa do orçamento com ministros de salazar?

5. Quanto custa continuarem a dizer que têm a missão de impedirem o regresso à idade média, sem perceber que ela durou dez séculos e não foi a mesma, em todo o lado e ao mesmo tempo?

‎6. Quanto custa não repararem que as revoluções nunca foram o orgasmo de uns breves minutos de proclamações e matanças, do tempo volta para trás, mas o longo prazo das pós-revoluções, onde se fez alguma coisa, não para o cumprimento dos delírios programáticos de alguns deles, mas conforme a acção de muitos homens livres? Em vez do revisionismo da pretensiosa história dos vencedores, a humanidade só se civiliza quando deixarem escrever silenciosamente a verdadeira história dos vencidos. Dos que se libertaram pelas próprias mãos, porque tiveram memória do sofrimento.

7. Quanto custa tentarem mais revoluções "d'en haut", dos que, pela via decretina, julgam que iluminam o despotismo das ditaduras do situacionismo? Não é a história que faz o homem, mas os homens que fazem a história, mesmo sem saberem que história vão fazendo.

8. Quanto custa manterem os sistemas de ensino como presas fáceis da sequência de reformadores e contra-reformadores que se encontram à esquina, tocando a concertina, nos eternos seminários de avaliação dos avaliadores, para que o novo esquema sejam mais burocratas das fichas, esquemas e demais abstracções?

9. Quanto custa o provincianismo de nosso turismo científico, esse que os nossos impostos pagam sempre, para gáudio do clube fechado e rigorosamente fechado de meia dúzia de eleitores que se co-optam como eleitos e chamam à coisa gestão democrática?

10. Quanto custa este mais-do-mesmo, pintado de fresco, macaqueando a teoria do eterno retorno?

publicado por José Adelino Maltez às 19:46

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Novembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


24
25
26



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Biografia
Bem mais de meio século de vida; quarenta e dois anos de universidade pública portuguesa; outros tantos de escrita pública no combate de ideias; professor há mais de trinta e cinco e tal; expulso da universidade como estudante; processado como catedrático pelo exercício da palavra em jornais e blogues. Ainda espera que neste reino por cumprir se restaure a república
Invocação
Como dizia mestre Herculano, ao definir o essencial de um liberal: "Há uma cousa em que supponho que ate os meus mais entranhaveis inimigos me fazem justiça; e é que não costumo calar nem attenuar as proprias opiniões onde e quando, por dever moral ou juridico, tenho de manifestá-las"......
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO