Registo de algumas análises, farpas e aforismos no Facebook de José Adelino Maltez

12
Nov 11

Os militares dizem que não são funcionários públicos. Os médicos, também. Tal como os magistrados, os diplomatas, os ministros, os deputados e os professores. Isto é, noventa por cento dos funcionários públicos

publicado por José Adelino Maltez às 14:02

Não há verdadeira liberdade sem metafísica. Nem homem sem transcendente, mesmo na perspectiva ateia. Para mim, o homem não passa de um transcendente situado. Alguns podem traduzir transcendente por espírito. Dizem o mesmo. Outros também podem dizer Deus ou deuses. Não interessam os nomes. Vale mais a coisa nomeada e sentida por dentro. Sou um homem religioso, mesmo sem religião revelada

publicado por José Adelino Maltez às 14:01

Berlusconi foi derrubado em directo na cimeira do G20. Antes de o ex-vice do BCE passar a liderar o governo de Atenas. Em Espanha ainda há direito a eleições e Portugal teve sorte de as fazer antecipadamente. A Europa corre o risco de deixar de ser uma democracia de muitas democracias. Isto é, pode perder o sentido e passar a ser regida por sucessivas ditaduras das finanças, tendo em vista as eleições alemãs e francesas. É cruel, espero que deixe de ser verdade.

publicado por José Adelino Maltez às 14:01

Figuras morais do regime dissertam sobre o governo mundial e o futuro da utopia da Europa. Quem marca o ritmo é o antigo chefe dos banqueiros, para quem "Portugal está na situação de quem perdeu uma guerra". Pena é que ainda tenha de agradecer a quem o bombardeou, isto é, a santa aliança do poder banco-burocrático e dos patos bravos do betão. Pena, não terem convidado Otelo Saraiva de Carvalho para a reflexão.

publicado por José Adelino Maltez às 14:00

Ministro da cenoura retórica, usa agora o espaço do chicote retórico. Foi num habituais passeios pela paisagem, em fim-de-semana, num exercício revivalista daquilo a que chamava ministro da província. E ministerializou discursivamente contra "propostas criativas" e atitudes "muito abstractas". Meros jogos de "agenda setting" para glosar as parangonas do habitual semanário do regime.

publicado por José Adelino Maltez às 13:59

Sábado do nosso descontentamento. Quando a geometria social começa a não rimar com a aritmética parlamentar. E quando novas forças vivas ameaçam desequilibrar. Mesmo sem perturbadores sistémicos. Que os partidos compreendam o país. Incluindo o que se manifesta no palco das ruas

publicado por José Adelino Maltez às 13:59

Todas as cartas de amor são ridículas. Mas mais ridículo ainda é não se conseguir escrever uma carta de amor. Com os símbolos, as pátrias , as religiões e as liturgias, todas ridículas, os que estão de fora até podem dizer o que os chineses diziam dos primeiros portugueses que os visitaram: "uns bárbaros, comem pedras e bebem sangue". Eles não usavam o pão nem o vinho. Os mesmo diziam outros sobre aqueles adoradores de antigos símbolos de tortura antigos que todas as semanas praticavam antropofagia. Por causa da Cruz e das hóstias, ditas corpo do assassinado que ressuscitou. Sem essas e outras coisas ridículas, os homens morreriam todos de frio, por falta de alma

publicado por José Adelino Maltez às 13:59

Nas democracias pluricentenárias, implantadas por homens livres e de bons costumes, não pode haver sociedades secretas para efeitos políticos e económicos. E aí de quem as confunde com sociedades secretas iniciáticas. Em situações totalitárias e autoritárias, ainda bem que existem sociedades secretas de resistência. E até golpes de Estado libertadores. Confundir alhos com bugalhos só alimenta os adeptos da tirania, do fanatismo, da ignorância e da intolerância.

 

Nas democracias pluricentenárias, implantadas por homens livres e de bons costumes, não pode haver sociedades secretas para efeitos políticos e económicos. E aí de quem as confunde com sociedades secretas iniciáticas. Em situações totalitárias e autoritárias, ainda bem que existem sociedades secretas de resistência. E até golpes de Estado libertadores. Confundir alhos com bugalhos só alimenta os adeptos da tirania, do fanatismo, da ignorância e da intolerância

 

Há dois mil anos e tal que os cristãos, repetindo o que já diziam estóicos e confucianos, mandam amar o próximo como a nós mesmos e não fazer aos outros o que não queremos que nos façam a nós. Ainda hoje, cada um de nós violou essa norma mínima da faceta moral de todas as grandes religiões e crenças universais. A culpa não está na norma, nem nas organizações que a defendem. Está na natureza do ser humano. Daquele que todos os dias cai, mas que, sem essa norma, não poderia levantar-se. Com a democracia, que não é um facto, mas uma norma desse género, passa-se o mesmo. É um dever-ser que é, o imperfeito que manda procurar a perfeição. E que aperfeiçoa

publicado por José Adelino Maltez às 13:55

Foi há vinte anos em Santa Cruz. A república de Loro-Sae encontrou o sinal da sua memória de sofrimento para continuar a libertação. Pátria sempre foi terra de mortos que renascem nas saudades de futuro. Viva Timor Leste, Timor Livre!

publicado por José Adelino Maltez às 13:54

Novembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9


24
25
26



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Biografia
Bem mais de meio século de vida; quarenta e dois anos de universidade pública portuguesa; outros tantos de escrita pública no combate de ideias; professor há mais de trinta e cinco e tal; expulso da universidade como estudante; processado como catedrático pelo exercício da palavra em jornais e blogues. Ainda espera que neste reino por cumprir se restaure a república
Invocação
Como dizia mestre Herculano, ao definir o essencial de um liberal: "Há uma cousa em que supponho que ate os meus mais entranhaveis inimigos me fazem justiça; e é que não costumo calar nem attenuar as proprias opiniões onde e quando, por dever moral ou juridico, tenho de manifestá-las"......
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO