Registo de algumas análises, farpas e aforismos no Facebook de José Adelino Maltez

05
Abr 11

A democracia é cara, desde a subvenção pública aos partidos aos próprios custos dos actos eleitorais, mas só será um desperdício se não for um investimento estrutural na cidadania. Logo, as despesas na procura da vontade geral, quando cada um decide conforme fosse o todo, abdicandos dos interesses próprios que costuma manifestar em actos de sondajocracia, que apenas medem a vontade de todos e não pode ser fonte de soberania, serão insuportáveis se o sufrágio for condicionado e não atingir as raias do “fair and free”. Onde o primeiro termo é menos do que o justo, equivalendo apenas a uma exigência de não concorrência desleal, mesmo que a liberdade continue condicionada pela partidocracia vigente. Apesar de tudo, podemos chegar, como já nos aconteceu, à plenitude libertadora de um golpe de Estado sem efusão de sangue, como Karl Popper definia as mudanças democráticas. Basta que as próximas nos tragam “new deal”, um diálogo entre adversários, assente em lugares comuns que nos restaurem a coisa pública, onde o aparelho de poder se abra à sociedade civil, ultrapassando a mentalidade de sociedade de corte, onde certos escolhidos escolhem os que os escolheram, segundo o ritmo das castas, onde a farsa das eleições macrocéfalas seria algo a decepar, neste despesismo sem dor e muita música celestial em que nos vamos gastando.


publicado por José Adelino Maltez às 17:32

Abril 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9





Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Biografia
Bem mais de meio século de vida; quarenta e dois anos de universidade pública portuguesa; outros tantos de escrita pública no combate de ideias; professor há mais de trinta e cinco e tal; expulso da universidade como estudante; processado como catedrático pelo exercício da palavra em jornais e blogues. Ainda espera que neste reino por cumprir se restaure a república
Invocação
Como dizia mestre Herculano, ao definir o essencial de um liberal: "Há uma cousa em que supponho que ate os meus mais entranhaveis inimigos me fazem justiça; e é que não costumo calar nem attenuar as proprias opiniões onde e quando, por dever moral ou juridico, tenho de manifestá-las"......
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO