Registo de algumas análises, farpas e aforismos no Facebook de José Adelino Maltez

04
Jul 11

Finalmente um politicamante desjardinado: “por trás da maioria das declarações de João Jardim em relação ao continente reside quase sempre uma ameaça velada ou implícita de que se os governos centrais não satisfizerem as exigências da Madeira, então tudo pode acontecer... Inclusive a possibilidade da independência deste território insular” (um ministro, noutro heterónimo, o ortónimo).

 

(O professor de Economia, no seu livro Os mitos da Economia Portuguesa, dedica um capítulo à independência deste arquipélago, texto que foi integralmente reproduzido pelo Jornal da Madeira, propriedade do governo de Alberto João Jardim, no Dia da Região)

 

Quem tiver arquivos bem arrumados pode publicar diariamente notícias destas até ao fim da vigência do pacto da troika...porque na parática a teoria é outra

 

O título revela um dos fantasmas constitucionais: a proibição de organizações fascistas e separatistas, sobretudo porque não há fascistas e separatistas com dimensão metafolclórica

 

A melhor forma de resolver-se a chantagem seria admitir a plenitude organizacional da liberdade. Haveria um duplo triunfo da portugalidade e da democracia.

 

publicado por José Adelino Maltez às 12:40

Julho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

15
16

17
19
20
22
23

25
26



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Biografia
Bem mais de meio século de vida; quarenta e dois anos de universidade pública portuguesa; outros tantos de escrita pública no combate de ideias; professor há mais de trinta e cinco e tal; expulso da universidade como estudante; processado como catedrático pelo exercício da palavra em jornais e blogues. Ainda espera que neste reino por cumprir se restaure a república
Invocação
Como dizia mestre Herculano, ao definir o essencial de um liberal: "Há uma cousa em que supponho que ate os meus mais entranhaveis inimigos me fazem justiça; e é que não costumo calar nem attenuar as proprias opiniões onde e quando, por dever moral ou juridico, tenho de manifestá-las"......
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO