Registo de algumas análises, farpas e aforismos no Facebook de José Adelino Maltez

10
Jul 11

Subscrevo as denúncias de "um Estado pesado, que ainda tem gorduras para perder" (Relvas), marcado por um "registo centralista e macrocéfalo", aliado a um "Estado paralelo" (Passos). Resta saber se há "cérebro social", ou se conseguem calcificar os ossos, refazer os nervos e agilizar a musculatura. Leiam os decretos de Mouzinho e tenham uma ideia de Portugal.

 

O problema do Estado é que ele já é estadão, porque se diluiu nas teias de um Estado não paralelo, mas clandestino, os das teias de economia mística da subsidiocracia e da empregomania, onde uma casta de reformadores oficiais do dito, alimentados a contado, se transformaram em congreganistas e anticongreganistas que nos embaciam as lentes de contacto com a realidade.

 

Sou como o São Tomé. Só quando confirmar a revogação de certos contratos vitalícios de reformação é que começo a acreditar no regresso da inteligência.

 

A ideia de reforma administrativa, nascida do ministro da presidência, Marcello Caetano, nos anos cinquenta, gerou ainda mais maquinismos inúteis, como os ministros e secretários de estado da reforma do dito, da modernização da coisa e toda essa ciência da fotocópia e do copy and paste dos observatórios das políticas e do outsourcing que continuam a traduzir em calão revoluções e contra-revoluções perdidas...

 

Há quem ainda dedilhe para o "contenente" a que foi exportada para o Vanuatu e colonialmente paga pelo chefe aos chefes, até em reparação de caminhos.

 

Só quando há uma ideia, de experiência feita e de convicção talhada, é que se passa do idealista ao construtor. E o que nos falta são engenheiros de sonho. O tal de Mouzinho, por exemplo, era um tarimbeiro da magistratura e das alfândegas que sempre viveu como pensou, especialista na gestão de recursos escassos e habituado à persiganga. Sempre com o realismo de saber o que a máquina podia dar. E fez.

 

O Mouzinho bem sabia que tinha de pagar os empréstimos agenciados por Mendizabal. Levava sempre a lista com ele. Eram os empréstimos de guerra, bem dolorosos. Já então, a história de Portugal era a história do défice. E a reforma do Estado era mesmo para poupar.

 

 ‎"Se cuidas que a popularidade é coisa diferente da justiça e da moral austera te enganas" (conselhos dados por Mouzinho ao seu sucessor na pasta da fazenda, José da Silva Carvalho; o reformador demitiu-se quando lhe mandaram fazer expropriações fora da legalidade que ele estabelecera, até em nome da guerra).

 

 

A reforma do Estado que precisávamos era a que nos livrasse da receita falahada do "ancien régime", mas sem que nos oferecesse a trafulhice de um pretenso "Estado Novo".

publicado por José Adelino Maltez às 18:19

Julho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

15
16

17
19
20
22
23

25
26



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Biografia
Bem mais de meio século de vida; quarenta e dois anos de universidade pública portuguesa; outros tantos de escrita pública no combate de ideias; professor há mais de trinta e cinco e tal; expulso da universidade como estudante; processado como catedrático pelo exercício da palavra em jornais e blogues. Ainda espera que neste reino por cumprir se restaure a república
Invocação
Como dizia mestre Herculano, ao definir o essencial de um liberal: "Há uma cousa em que supponho que ate os meus mais entranhaveis inimigos me fazem justiça; e é que não costumo calar nem attenuar as proprias opiniões onde e quando, por dever moral ou juridico, tenho de manifestá-las"......
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO