Registo de algumas análises, farpas e aforismos no Facebook de José Adelino Maltez

01
Mai 11

Tal como no dito pós-comunismo, dos países da Europa Central e do Leste, depois da queda do Muro, vêm aí os especialistas em tratamento de choque, os que aqui vão aplicar a bela ordem exógena. Não virão como invasores, à maneira de el-rei Junot, mas como amigos e protectores, como o Marechal Beresford. Está na hora de refundarmos o Sinédrio!

 

Ser liberal em Portugal começa pela fidelidade aos Mártires da Pátria. Pela adequada resistência organizativa e pelo posterior grito no 24 de Agosto de 1820, a libertação contra os protectores! Mesmo que eles depois se encostem à Santa Aliança!

 

Há pretensos liberais ditos decepados, coxos e de cabeça arrancada, pelo que põem os pés no sítio do coração ou do cérebro. Porque no princípio deve estar o fim e a experimentação. Ora, ninguém pode negar que foram, até agora, os países de mais continuidade e crença liberais que nos deram melhores Estados, mais autonomia das sociedades e mais liberdade às pessoas concretas, de carne, sangue e sonhos.

 

Contra as crenças bem práticas, sempre se insurgiram os cultores do sem lugar (utopistas), os tecnocratas e os negoceiros. Especialmente em coisas mentais como a nossa, cercadas de fantasmas de direita (sobretudo do socialismo de direita salazarento, defensor de uma economia privada que seja economia de mercado) e preconceitos de esquerda (o Estado Social foi nome inventado por Marcello Caetano).

 

Devemos é voltar ao velho conceito de serviço público de marca liberal, à Mouzinho da Silveira. Aventura de carácter ideológico foi pôr "boys" para defenderem a ideologia como directores-gerais, sem carreira e sem educação de serviço públic...

 

O consenso situacionista é juntar a direita dos interesses à dita esquerda moderna. E eu, que não sou de esquerda, que sou liberal, até me sinto bem à esquerda dessa hipócrita esquerda. Basta ser liberal à europeia, à americana, ou à oitocentista, que é como mais sou.

 

Até a nossa direita mais à direita, faz parte do socialismo de direita, como dela diria Hayek. Eu chamo-lhe mais salazarenta, de acordo com as linhas gerais do catecismo da OPAN, que bem me tentaram enfiar no sexto e no sétimo ano de liceu, no manual do Martins Afonso, que era livro único...

 

Marcello Caetano, o efectivo criador do Estado Social, se estivesse vivo e ouvisse os discursos do 1º de Maio da CGTP, diria: como eles me repetem! Qualquer ministro das corporações diria: dizem o mesmo, pena não festejarem o São José Operário! Veiga Simão, Silva Pinto e Basílio Horta, os que andaram pelo Congresso de Tomar, devriam ensinar tal coisa aos discípulos do PS.

 

publicado por José Adelino Maltez às 17:26

Maio 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9


28

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Biografia
Bem mais de meio século de vida; quarenta e dois anos de universidade pública portuguesa; outros tantos de escrita pública no combate de ideias; professor há mais de trinta e cinco e tal; expulso da universidade como estudante; processado como catedrático pelo exercício da palavra em jornais e blogues. Ainda espera que neste reino por cumprir se restaure a república
Invocação
Como dizia mestre Herculano, ao definir o essencial de um liberal: "Há uma cousa em que supponho que ate os meus mais entranhaveis inimigos me fazem justiça; e é que não costumo calar nem attenuar as proprias opiniões onde e quando, por dever moral ou juridico, tenho de manifestá-las"......
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO