Registo de algumas análises, farpas e aforismos no Facebook de José Adelino Maltez

16
Set 11

Se há uma zona de Portugal onde mais forte foi a economia privada das empresas de regime, mas sem economia de mercado, graças ao intervencionismo do protectorado dito público, esse foi o da social-democracia madeirense, o paradigma da desorganização do político pelo populismo e pelo primado do executivo da personalização do poder.

 

Se voltarmos a rever os elogios de Jaime Gama a Alberto João, compreenderemos como colectivamente nos co-responsabilizámos. Não foi apenas Cavaco Silva e Manuela Ferreira Leite...

 

‎"Porque se continuar a existir como que um conflito permanente entre o Estado português e a Região Autónoma da Madeira, penso que vai ser útil para todos encontrarmos uma solução que faça com que uns não se aborreçam com os outros e a nossa vida decorra em paz, a nossa, a deles e a de toda a gente" (AJJ). As instituições europeias parecem eufóricas. O arquipélago pode ser arrastado para diante de Tripoli, graças à invenção de um super-arrastão...

 

O problema é não caber no Estreito das Colunas de Hércules..

 

Nem no Canal de Suez...

 

Não caber o jardim, evidentemente. As ilhas e os madeirenses só se o escolherem.

 

publicado por José Adelino Maltez às 12:26

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Setembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10


20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Biografia
Bem mais de meio século de vida; quarenta e dois anos de universidade pública portuguesa; outros tantos de escrita pública no combate de ideias; professor há mais de trinta e cinco e tal; expulso da universidade como estudante; processado como catedrático pelo exercício da palavra em jornais e blogues. Ainda espera que neste reino por cumprir se restaure a república
Invocação
Como dizia mestre Herculano, ao definir o essencial de um liberal: "Há uma cousa em que supponho que ate os meus mais entranhaveis inimigos me fazem justiça; e é que não costumo calar nem attenuar as proprias opiniões onde e quando, por dever moral ou juridico, tenho de manifestá-las"......
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO