Registo de algumas análises, farpas e aforismos no Facebook de José Adelino Maltez

03
Jan 11

"O apoio do PS a Manuel Alegre tem esse significado: o de que Sócrates e o PS querem Cavaco a presidente. Não há quase nenhuma crítica ao actual presidente, há muitos consensos e um Cavaco Silva que se demarca da posição de decisor político e que coloca cada vez mais todas as coisas no plano da economia e da Europa: no plano metafísico. Isto traduz um país adiado" (JAM, DE)

publicado por José Adelino Maltez às 12:05

Cavaco fez “um bom estágio para a recandidatura, sentado no andor do estadão, recoberto com o verniz do referencial de estabilidade, mas com os pés de pau de um dos principais causadores deste situacionismo decadentista” (JAM, J Negócios)

 

 

publicado por José Adelino Maltez às 12:05

13
Jan 10

Ontem foi dia de uma primeira pedra, que afinal era a segunda, bem como de algumas pedradas, glosando o relatório de inverno do Banco fundado pelos vintistas. Na primeira, ao recato da tendinha, longe da lama, o estadão em figura humana proclamou: “Há muitos momentos da vida das nações em que ninguém mais pode fazer nada a não ser o Estado, que tem o dever de responder à situação fazendo mais investimentos”.

 

Até também perorou, mas noutro recato, esse grande inaugurador das obras e parcerias públicas, chamado Alberto João, ao comentar a crise do PSD, onde invocou o regresso a uma AD que ele nunca aplicou, à semelhança da regionalização contra a qual votou. Nem faltou o rigor social-democrata de Luís Filipe de Gaia, todos temendo o que chamam liberalismo, em nome da social-democracia. Por outras palavras, toda a subsiodiologia pública estatal e infra-estatal deu as mãos a uma economia privada que teme a concorrência da economia de mercado.

 

Pedradas diversas foram as de Cavaco Silva e do seu rival no Congresso do PSD da Figueira da Foz, João Salgueiro. Também nos anunciaram um saber tratar da saúde do endividamento e um deles até referiu invocar os bons investimentos em pêra rocha e uva de mesa, dessa investigação agrária aplicada dos tempos da EFTA.

 

Mas ninguém parece querer retirar a primeira pedra com direito a placa inaugurativa. Todos preferem pôr-lhe a segunda, a funerária, em cima. Que a conta seguirá dentro de momentos, e ninguém pedirá desculpa por estas interrupções discursivas.

 

Porque Sócrates II mostra o feroz reformismo, agora anunciando a revogação das políticas públicas de saúde, educação e justiça de Sócrates I, pondo Maria de Lurdes Rodrigues na FLAD, Correia de Campos no Parlamento Europeu e Alberto Costa nas filas de trás do parlamento, enquanto sobem os Walter Lemos e os João Tiago Silveira. Porque, com as pedras em cima, alguns, pelo menos, ganharão ... com nacionalização dos prejuízos, para posterior privatização dos lucros.

 

Porque, segundo as cimeiras palavra do nosso primeiro, estamos a viver um momento de crise em que ninguém pode fazer mais nada. Nem os capitalistas, nem os partidos. Nem o povo nem as organizações não governamentais. Ninguém, a não ser o aparelho de Estado que se mede pelo Orçamento. E há, sobretudo, um perigo enorme, essa coisa informe produtora de altos riscos, como as crises financeiras e a concorrência, o chamado mercado. E as parcerias nunca gostaram de mercado, preferem o "gentleman's agreement" do estado a que chegámos, dos estados dentro Estado, com muitas pedras resguardadas, no quente das tendinhas inaugurativas.

publicado por José Adelino Maltez às 21:43

Junho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
28
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Biografia
Bem mais de meio século de vida; quarenta e dois anos de universidade pública portuguesa; outros tantos de escrita pública no combate de ideias; professor há mais de trinta e cinco e tal; expulso da universidade como estudante; processado como catedrático pelo exercício da palavra em jornais e blogues. Ainda espera que neste reino por cumprir se restaure a república
Invocação
Como dizia mestre Herculano, ao definir o essencial de um liberal: "Há uma cousa em que supponho que ate os meus mais entranhaveis inimigos me fazem justiça; e é que não costumo calar nem attenuar as proprias opiniões onde e quando, por dever moral ou juridico, tenho de manifestá-las"......
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO